Brasília - DF

Covid-19: Wellington e Ibaneis Rocha discutem plano de vacinação

O governador afirmou que as 27 unidades federativas do Brasil precisam se reunir juntamente com o Governo Federal para que possam estabelecer um plano de vacinação.

Bárbara Rodrigues
Teresina
12/08/2020 09h16 - atualizado 09h19

O governador Wellington Dias (PT) se reuniu na terça-feira (11) com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, em Brasília, onde discutiram sobre vários assuntos, mas principalmente sobre um plano de ação para o processo de vacinação contra o novo coronavírus, assim que uma vacina estiver disponível no Brasil.

O governador afirmou que as 27 unidades federativas do Brasil precisam se reunir juntamente com o Governo Federal para que possam estabelecer um plano de vacinação, mas todo o processo terá que passar pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

  • Foto: Divulgação/CcomWellington Dias e Ibaneis RochaWellington Dias e Ibaneis Rocha

“Nós temos estudos voltados para a produção de vacinas que estão em estágio avançado em Oxford, na Inglaterra e em outros laboratórios na China e na Rússia. O objetivo é de que as 27 unidades da federação, juntamente com os municípios e o Governo Federal, possam estabelecer um planejamento que contemple toda a cadeia desta etapa, desde aquisição desta vacina, o processo de validação que passa pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e a aplicação, tendo como base experiências positivas que temos experienciado nos últimos anos, como no caso da Influenza”, explicou o governador.

Wellington Dias ainda destacou que “com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, e representantes do Consórcio Nordeste, debatemos sobre as vacinas em teste no mundo e a logística necessária para a vacinação em massa no Brasil. O planejamento será extremamente necessário para esta grande operação sanitária”.

Os governadores também discutiram sobre a liberação de recursos que foram anunciados pelo governo federal para o combate do novo coronavírus. “É bom lembrar: a pandemia não acabou e a necessidade da manutenção de leitos de UTI continua. O governador Ibaneis me mostrava que, em Brasília, 79% dos leitos de terapia intensiva estão ocupados. No Piauí, são 55%. Ou seja, mantém-se um custo e há a necessidade de se ter aquela parte que foi vetada de R$ 8,6 bilhões”, afirmou o governador.

No encontro eles ainda trataram sobre o Projeto de Lei Complementar (PLP) 149/2019, nominado de Plano Mansueto, que está em tramitação no Congresso Nacional e que trata sobre o refinanciamento de dívidas de estados e municípios com a União.

Situação no Piauí

Boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), divulgado na noite desta terça-feira (11), informou que o número de mortes por covid-19 (coronavírus) no Piauí subiu de 1.526 para 1.548. A quantidade de casos confirmados também cresceu, passando de 61.144 para 62.465. Foram 1.321 novos casos registrados e 22 óbitos nas últimas 24 horas, de acordo com a Sesapi.

Conforme o boletim, das 62.465 pessoas que contraíram o vírus no Piauí desde o início da pandemia, 60.248 já estão curadas e 173.390 casos foram descartados, após a realização de testes rápidos e exames no Laboratório Central do Piauí (Lacen).

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Alto contágio torna Brasil atrativo para testar vacina contra covid-19

Covid-19: maioria das pessoas que morreram no Piauí tinham problemas cardíacos

Covid-19: Polícia Militar do Piauí inicia nova testagem em massa na corporação